quarta-feira, 20 de junho de 2012

E tenho dito



Inspirada por Flávia Werlang, baixou o espirito mãe-solteira-sim-e-daí? e resolvi botar pra fora os incômodos (dos outros) sobre essa minha condição matérnica.
Desde que me separei, eu saio com minha filha para passeios e afins, só eu e ela, ela e eu; e nesta última sexta- feira, resolvi levá-la na pizzaria mais badalada e cheia de famílias felizes de Jundiaí. Coragem? Muita.
Pedi uma mesa para dois. Duas, no caso.
-        - Dois lugares, mais um cadeirão, senhora?
-        -Não senhor. Dois lugares e ponto.
 Mas mesmo assim, o gentil e solícito garçon colocou mais um prato, just in case. Vai-que-né? Aparece algum salvador e tira essas duas dessa maldita solidão.
Sentamos na nossa mesinha e escolhemos nossa pizza. Pessoas passavam olhando como se eu tivesse uma perna amputada num acidente de trator no meio de uma rodovia deserta. Com cara de dó. Como se fossemos duas pobres coitadas. E isso é frequente senhoras e senhores! 
As pessoas sentem pena de uma “mãe largada com uma filha pra criar.” Acreditem, em pleno 2012.
Eu e Lulu somos BR (bem resolvidas, como diz a dinda) e lidamos bem com esse tipo de coisa, mas as pessoas se incomodam, minha gente! Se incomodam demais a ponto de me chamarem num canto e dizerem “fica tranquila, linda, eu acho que vocês ainda voltam. Ele só tá aproveitando um pouco pra galinhar, sabe como é homem né? Mas tenha paciência, vocês formam uma família linda e Deus vai uni-los de volta. Tenho fé”. Tá. Fique com sua fé empoeirada e use-a para conselhos mais edificantes, minha senhora. Essa foi a minha resposta, educada juro, e sorridente, também juro. Porque hoje em dia costumo achar graça.  
Mas nem sempre foi assim. No começo me incomodava com esse tipo de comentários, como no dia em que eu, ele e Lulu saímos para comer um sushi e no meio do jantar, uma moça que nem nunca vi na vida me chama pelo nome e diz “eu me emociono de ver vocês dois juntos. Sempre te vejo sozinha e me da um dó. Eu acho que ele ainda vai pedir pra voltar!” OE??? Agradeci o comentário e comi meu sushi-com-gosto-de-derrota e fui embora triste. Triste porque ainda era leiga nesse assunto. Não sabia lidar e vai que ele pedia mesmo, né? Rá. Hoje em dia mato no peito (murcho)

Será que é tão difícil pra essa sociedade quadrada entender que fui eu Giuliana, a MULHER,  que pedi a separação? Que EU QUIS me separar, que aquela vida não estava me fazendo FELIZ, que eu decidi correr atrás da minha FELICIDADE e jantar numa sexta feira a noite numa pizzaria lotada de famílias felizes me faz feliz também porque Anna Luísa É a minha família e ponto?
Não sofremos de solidão, não somos abandonadas, não somos sozinhas, e muito menos amputadas emocionalmente.
Eu hoje sou o resultado muito bem sucedido de uma escolha eu EU fiz 1 ano atrás, mas o preconceito transforma as pessoas em terapeutas matrimoniais.
E se eu esboço um namoro com alguém-que-não-o pai-da minha filha? Eu sou obrigada a esconder meu namorado dela? Não.Obvio que não vou ficar apresentando a ela os 9.456 caras que eu saio (?Oi?Oi?ô????) mas se tem um que valha a pena, porque não? Tem amor? Tem. To feliz? To. Ele nos trata bem? Super. Então qual o problema? “Nao se apresenta namorado pra filha. Cria traumas”  Peralá. A menina em questã assistir a um casamento desmoronado, que passava longe do amor e do respeito é mais saudável que ver sua mãe feliz com outro homem que não o pai dela?

Eu optei pela separação, eu optei por voltar ao trabalho, eu optei por viver sozinha com ela e, se em (?muito?) breve optar por assumir um namoro, vou fazê-lo sim! Porque isso me faz feliz. E uma mãe feliz e realizada (and apaixonada) faz milagres na vida de uma filha. Ela tá até dormindo gente. Tá mentira. Mas tá mais feliz também, porque eu, a mãe, tô.  E isso é nítido.

E o que mais me surpreende nesse história toda são os comentários que ouço que quando ele sai sozinho com ela. Ele é o cara! O super pai, o herói, o fodástico que sai com a filha sozinha e as vezes até banho dá!!!! Um puta pai! Ok,ele é realmente um puta pai pra Lulu, mas ele é um puta pai e eu sou uma coitada?
Soy yo que fico com a parte punk, eu que seguro todos os rojões do mundo, todos os dias, eu que levanto a madrugada toda e todas as madrugadas para atendê-la, eu que cuido das crises de terror noturno dela, eu que faço almoço e janta, eu que levo ela na escola todos os dias, eu que chego atrasada no trabalho todos os dias para fazer ela parar de chorar na porta da escola... Enfim, eu faço tudo isso porque OPTEI por. Caralhos, gente!
Não estou aqui pra levantar uma bandeira feminista e queimar meu sutiã em praça pública mesmo porque se eu ficar sutiã, entro em depressão. É um desabafo de uma mulher decepcionada com  preconceitos idiotas em relação a essa minha condição de doente contagiosa de mãe solteira que sou.
Mas como disse um amigo meu: quando a gente tá feliz, a opnião dos outros  tem menos importância que um peido de vaca.  Bem por aí, genz... bem por ai.
Então, seguremos- nos- vos- pois mães solteiras e sigamos guerreiras e aparamentadas com escudos psicológicos de maturidade. Isso inclui cuspidas nas caras de velhinhas naftalinizadas e moçoilas muito bem casadas que dormem em cestos de rosas vermelhas,  que vem meter o bedelho em nossa vida. Pisão no pé também pode.


72 comentários:

Bruna disse...

Hahahahaha!!!! É isso aí!!!!! Não te conheço mas te dou todo meu apoio moral!!!! Que gentes mais chatas que gostam de ficar metendo o bedelho onde não são chamadas... Parabéns, tem a minha admiração e respeito!!!!
Abraços,
Bruna

Ludmila disse...

Tambem sou "mae solteira" mas ainda estou grávida de 4 meses entao os olhares de piedade vão da minha barriga até minha mão esquerda! Gostei do seu blog, muito engraçado o jeito que vc escreve, se quiser dar uma olhadinha no meu, é bem misturado, mas é legal tb! Beijos e beijo na Lulu também

Mila disse...

Sensacional tudo o q vc disse! Vejo meio mundo de gente mega feliz nos relacionamentos da vida e se metendo na nossa solteirice. Não podem me ver com um amigo que já perguntam "Iai, é esse? Já era hora!"
E olha q nem mãe solteira eu sou. Os olhares são de piedade mesmo, como vc disse. Mas sendo eu cadeirante desde pequena, já me acostumei com esses olhares e educadamente mando pessoas à merda com uma certa frequencia.
Amo seus textos! Beijão

Patricia Adorno disse...

Antes só do que mal acompanhada! Frase velha que o povo não aprende....Melhor as noites sem dormir na cama fria querida que quebrar o pau em um lar triste e sua baby assistindo!!! eu hein...povo antiquado!

Marília Sampaio disse...

Bicho, tu é minha alma gêmea. Posso te definir como a porta-voz das separadas?

É isso aí. Vivo isso todos os dias. Mas também tô cagando e andando (e beijando na boca)>

MORRÃO.

Dennis Cossi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

GA-RO-TA!!! Gente estúpida, burra, antiquada e hipócrita é o que não falta... e pra essas pessoas, é difícil aceitar a felicidade dos outros, especialmente quando ela é consequência da coragem de escolher se dar a chance de ser feliz...

Carol Cazerta disse...

Giu, vc é foda! Te admiro pacas, sem msm t conhecer pessoalmente.

Bjo!

Dennis Cossi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Dennis Cossi disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Hum, de qqer forma o primeiro passo foi dela né?

VYG disse...

Giu, estamos juntas nos pisões de pé!!! Sei bem como é... E eu que sou mãe solteira e tenho deficiência física, a coisa do "coitada"ainda é pior. Mas vamos que vamos!

Dennis Cossi disse...

Meu comentário foi apagado...eh estranho como as pessoas gostam de criar uma imagem q não eh real...por favor neh...volta meu comentário! Como disse, vc pediu um tempo, e eu a mala!! Quem da tempo eh relógio...e outra, q coisa mais ridícula vc colocar isso aqui...falta de respeito comigo com vc e sua filha! Existe um limite entre vida pessoal e o que os outros devem saber...realmente, não agüentava mais ficar lah, e conviver com vc...mas não acho q os outros devam saber disso!! Lembro quando vc perguntou se eu tinha certeza do que fazia...e eu disse "SIM", tranca a porta...mas eu não tranquei o meu coração, e respeito, pela mãe da minha filha!! Mais uma vez...isso foi totalmente desnecessário, sempre fui muito discreto e não gosto disso! Até mais tarde!!

Anônimo disse...

Volta para o maternal...pessoa Anônima!!

Anônimo disse...

Anônimo das 9:08..(é esse o horário q apareceu aqui no meu pc..rs)

O meu comentário foi em resposta a outro comentário, mas não sei pq, saiu "solto", dando a impressão errada!!!!!!!!!

Dennis Cossi disse...

Nossa...apagou todos os meus comentários!! Isso q eh medo de saberem a verdade de algumas coisas...q feio!! Mais uma vez, vc demonstra o bem q fiz a mim, no dia em q sai do seu lado!

Dennis Cossi disse...

Vou tentar colocar novamente, em outras palavras, jah q aquelas, foram escritas pelo impulso!! Cuido de minha filha desde os primeiros segundos de seu nascimento! Como jah dito em algum post desses, logo q Nalu veio a este mudo, a mãe pediu q fosse sedada, e se não fosse por insistência minha, nem visto a Nalu ela teria...até aí, tudo bem e nem eh essa a questão! Bom, dei o primeiro banho e outros 80% dos mesmos, até minha separação, cuidei dela quase todas as madrugadas insones, q este mesmo blog reproduzia, mencionando apenas o no de Giuliana...alias, estive acordado por até 72h em alguns casos, pq a mãe não conseguia, como sabem, ela toma remédios e nunca conseguiu agüentar as fazes mais graves de insônia de Nalu, nada errado, ela eh doente e toma medicamentos para se controlar de alguns problemas, isso antes de nossa filha nascer! O fato eh q cuido e sempre cuidei de Nalu, como acho q tenho e como deve ser feito...me dou ao máximo por ela, para tentar retribuir o bem q a presença dela me faz! Dormimos muito bem, ela não tem crises quando dorme comigo, alias, costuma a prolongar um soninho

Dennis Cossi disse...

de 10, 12 hrs seguidas...brinca muito, não faz birra para comer e eh um amor...só um pouco ciumenta (puxou a mãe)!! Bom...eh uma criança normal, muito amorosa, q ama a mãe e o pai! Giuliana, eh uma pena q as vezes o ímpeto de tentar ser irreverente ou "descolada", te faz ser uma pessoa muito diferente da q conheci....e desde q criei esse blog para vc se distrair...me arrependo cada dia mais da idéia idiota q tive! Bjus, até mais tarde!!

Anônimo disse...

Hum... Agora que tem um namorado na jogada, o ex aparece bravinho... Típico.
Gata, vc sempre teve um humor incrível e vai tirar isso de letra. O blog é "about you" e vc pode escrever o que quiser!Liberdade, né?
Bjs.

Ju disse...

Acho o seguinte, isso vale para esse post em que exponho os MEUS sentimentos em relacao ao meu ex casamento, e para o post anterior em que exponho OS MEUS sentimentos em relacao a maternidade. Esses sentimentos sao MEUS, e tenho o direito de expressa-los, assim como vcs todos tem os seus e tem o direito de expressa-los. Nao estou pedindo para ninguem concordar comigo. Eu criei um blog para poder dar a MINHA opniao a respeito de tudo que EU QUISER dar. Voces tem o direito de expor a versao de vcs, mas se eu julgar o comentario ofensivo ou desnecessario estou no meu direito de remove-lo, porque este espaço é meu. Simples assim. Quem pediu as contas ou trancou as portas, deu sabe, e eu nao to preocupada em tentar convencer as pessoas a acreditarem em mim.Acredita quem quer. Continuo dizendo que meu ex eh um super pai, dedicado e atencioso com nossa filha, e que eu sou uma pessoa melhor agora e ele tambem. E quem assim seja,
amem. Para o bem de Lulu e todos os envolvidos na questã.

Carol Damasceno disse...

O LEMA é SER FELIZ!!!
As que criticam talvez tenham a sua coragem...
Parabéns!!!

Bjosssssss
Carol

Carol Damasceno disse...

Faltou a palavrinha NÃO tenham a sua coragem....sorry

Camila disse...

Minha Feeeeeeeeeeeelha...eu to aqui de pé te aplaudindo, aplaudindo mesmo, porque VOCÊ TEM O MEU RESPEITO.
Acompanho seu blog faz pouco tempo,tbm sou mãe, gestante ainda, mas solteira, mas com todo o perdão que Lulu não nos leia, mandar tomar no c* é pouco perto dessas pessoas que acham que sabem como é a vida da gente. Só acho que tem que respeitar a opinião do alheio, seja ela sua, ou SUA, afinal o blog é seu.
Beijos

Aprendendo com Davi disse...

Gata, sempre te leio, mas quase nunca comento, pq vc sabe como é né...mas hoje me senti na obrigação.
Sei bem o que vc passa pois desde os 3 meses do Davi vivo nessa condição de "pobre coitada é mãe solteira".
Acho super "Moderna" essa nossa sociedade q independente de qquer coisa o pai solo é a figura SUPER e a mãe a COITADA...mas né, fazer o que...
Importante é que vcs tão felizes, da maneira de vocês!!!
Esta semana eu conversava com um amigo justamente sobre isso, eu era feliz enqto vivia com pai do Davi, tivemos um bom casamento, tivemos problemas como todo casal tem...masss eu nunca fui tão feliz como eu sou agora sozinha com ele.
Te admiro mto...assim bem desse jeito, alegre, descolada, sem papas na língua.

Bjsss

sueli disse...

Porraaaaada !!! Seguinte: eu acompanho esta escriba desde que ela nasceu. Se por um tempo ela precisou de remédio para poder respirar, é porque algo a sufocava tanto que, por si só, era incapaz de viver plenamente. Conheci o pai da Lulu e o marido da Giu, que são a mesma pessoa (óbvio) mas eu torço para que ele continue sendo um ótimo pai da nossa Nalu e que deixe essa escritora livre para dar asas äs suas imaginações e por prá fora todos os sapos dantes resguardados pq vamos e venhamos, ela escreve bem prá KCT. Beijos mães solteiras, divorciadas, viúvas, concubinas e afins. Parabéns Giu; seu texto está óteeeemo

Carlinha Freitas disse...

Onde estáo o botão "curtir mil vezes"?

Eu sou casada e feliz com meu casamento, mas ouço comentários tipo o seu. Tanto eu quanto meu marido viajamos muito a trabalho, e as pessoas só elogiam a ele pelo esforço de ficar com o Lucas em casa. E eu? Estou fazendo minha obrigação. Ronaldo é quem esta ME ajudado. Eu quero matar quem pensa assim...

E não sou contra a apresentar namorado a filha. Mas também só faria se tivesse certeza de meus sentimentos e da nossa relação. Não pelo o que ela vai pensar. Mas no que ELE pode fazer a ela. Sou meio paranoica neste sentido...

Beijos
Uma leitora fã de seus textos :)

Ludmila disse...

Uia Camila por aqui! Bom te ver! kkk
Sueli, concubinas eu adorei! kkkk

Bia disse...

Giu, te conheci a pouco tempo e hj acabei de ler o blog por inteiro. Primeiro quero dizer que AMEI! Nossa, já chorei de rir com vários posts. Depois, quero dizer que vc escreve brilhantemente e que por vim, vc vai a NY!
Bom, o post de hoje foi fodástico e suuuuper demais! Acho ridículo esse rótulo imposto pela sociedade assim como tantos outros. Sou casada com o pai do meu filho, mas se um dia tiver que deixar de ser, assim será e fo**-se o mundo que não me chamo Raimundo. Lógico que não quero me separar, mas não sabemos o dia de amanhã. Ninguém tem nada a ver com usa vida!!! Vc tem que ser feliz, se for casada, ótimo, se for namorando, ótimo tb! ou de qualquer outro jeito, seja feliz! E acho super legal vc elogiar o pai da Lulu. Pq o casamento pode ter terminado mas pai e mãe não terminam nunca. Que o Pai dela possa continuar sendo um ótimo pai e vc uma ótima mãe, pq nesse caso, te que pensar no bem da Lulu né não?
Bjs e sou sua fã!!!!

Anônimo disse...

.

Janaina disse...

É isso ai! Adoro seu blog e concordo com o que vc escreveu até a ultima palavra!
Nao sou mae solteira, mas na gravidez com dedos inchados nao pude usar alianca e recebi inumeros olhares de piedade, do tipo " mae solteira, tadinha.." e isso vem de todos os lados, velhos, jovens, mas principalmente de mulheres!!!
Bjos

Anônimo disse...

Li inteiro o blog. Chocada. Vou dizer o que acho. Em meu nome, em seu nome e em nome de muitas mulheres covardemente atacadas.
Nossa, que discussão horrivel a partir de um desabafo tão sincero. O que impressiona mais do que tudo, é o tipo de homem que foi abandonado. Se eu bem entendi ele tenta transformar em acusação, em demérito pessoal o fato de uma pessoa, ex mulher dele, tomar uma medicação. Será que é isso mesmo que entendi? Se foi o que entendi, já foi abandonado tarde, não importa de quem tenha sido a iniciativa. É um homem medíocre pelo preconceito, e vil e covarde pela acusação. Consigo dar um minimo de desconto considerando que pode ser que seja uma pessoa que nao sabe o que diz, que nao conhece a extensão da asneira que está dizendo. Mas penso que seja inclusive passivel de denúncia. E se sua mulher tomasse um remédio para crescimento, ou reposição hormonal, ou tratasse de uma neoplasia? E se sua mulher tivesse um distúrbio neurológico, ou uma má formação física? Ou será que este homem covarde e mal informado não considera depressão um quadro passivel de tratamento? Será que ele é um homem que ri de deficientes físicos? Talvez ele devesse achar que essas pessoas deveriam ser postas a navegar em um navio para sempre como era a Nau dos Insensatos na Idade Média. Ou como eram tratados os leprosos na antiguidade ou os portadores de algumas doenças cerebrais que antes de terem um diagnostico eram tratados como loucos e considerados incapazes. (o tumor cerebral foi diagnosticado inicialmente como parte com o diabo e mais tarde como loucura). O que me deixa preocupada é o conjunto de motivos que leva um homem a tratar uma mulher desta maneira covarde. Ele não suporta a sinceridade de uma mulher que diz que o casamento acabou, que o casamento ficou ruim e que ela está melhor sem ele. E tenta fazer uma acusação destruidora. Boçal.
Cara Giuliana, isto é inaceitável. As mulheres não foram feitas para ouvir este tipo de besteira. Em minha opinião, certifique-se que ele cumpra as obrigações com a filha, como educação, plano de saude, vestuário, lazer e o que mais esteja acordado. Parece ser um pai afetuoso. Que bom. É onde voces concordam. Mesmo assim, tem que pagar pela criação da filha. Ou calar a boca se não cumprir o combinado.
Ele diz que fez um blog para voce brincar. Voce tem uma produção como escritora de blog e como revisora(pela sua bio), que milhares de pessoas acompanham. Quando ele da esse ar de coronel, de que te deu um blog para brincar, ele o fez com que animo? Ele escreve, o que faz ele? Fazer um blog é coisa que qualquer software gratuito pode fazer. O que precisa é conteúdo, e isso quem faz é você. Ele não te deu nada.
Tudo que voce precisa dele é que ele cumpra o que a lei recomenda, e entre outras coisas que não apareça para atrapalhar o que voce está fazendo direito. 
Em minha opinião, essa pessoa covarde, deveria ser no minimo, citada. Por preconceito, por estar ferindo preceitos humanitarios. E pela tentativa inequívoca de tentar lhe prejudicar, por motivo torpe, por inveja.
Se ele soubesse escrever um blog, poderia ao menos escrever uma réplica mais bem elaborada.
Mas também, em uma semana esse assunto ja vai ter se diluído. Só fica o gosto ruim na boca, ne?
Sinto muito por voce estar se aborrecendo com isso. Sinto por voce, sinto por todas as mulheres. É injusto.
Gostei muito do seu texto.

Alex disse...

Demorou um ano para como Vc escreveu "botar pra fora os incômodos (dos outros) sobre essa minha condição".
Parabéns, antes tarde do que nunca!! Só não demore mais um ano para mostrar que o espaço deste blog é seu e é sua a liberdade de escrever sobre tudo que Vc pensa. Acho saudável comentários positivos ou negativos ao que pensamos ou escrevemos. Só não acho que Vc deve dar espaço escreverem no seu blog mudando tua estória ou o que Vc sente, para estes casos sempre é possível escrever um blog com toda criatividade e dom inerente a cada um. Giu o blog é seu, é teu espaço, não acho que deveria permitir pretensos escritores pegarem carona nas tuas palavras e ficarem usufruindo do teu espaço e do teu sucesso.

Anônimo disse...

Hahaha...como tem gente louca nesse mundo!!

Beta disse...

Concordo e assino embaixo, arrasou no post mais uma vez!
Sei bem como é isso que tu expressou no texto; tb entrei para o time das mães 'carreira solo' por opção (casamento infeliz, relação afundando, etc, etc, etc...) faz um ano e meio. Bj em vcs duas!
Beta

Cris disse...

Ah, esse limite da privacidade quando nos expomos num blog é realmente delicado... por isso escrevo o meu sob pseudônimo. Mas como vc disse, são os seus sentimentos, suas opiniões, e qualquer um tem o direito de discordar - blog não é campanha pra nada e nem jornal que tem que ser fiel aos fatos.
Adoro seu blog e entendo bem essa sua situação de mãe solteira, não por ser uma, mas por acompanhar minha irmã há anos nessa situação. E nem falar bem do pai da minha sobrinha ela pode, pois ele está semi-sumido há bastante tempo.
Muita força aí, a vida continua, a fila anda, os ânimos se acalmam e o importante é procurar ser feliz no matter what.
Bjos

Anônimo disse...

Giuliana, minha cunhada está passando uma barra com a depressão, não aceita ajuda, sua mãe não concorda, e culpa meu irmão. Ela começou tratamento, não tomou medicação, melhorou 90%, parou, piorou e não quer voltar.
Para piorar, é uma tapada, sem profissão, praticamente nunca trabalhou, não se vira sozinha pra nada, tudo é meu irmão, medico, supermercado, pagar contas em banco... Ela foi "treinada" para ser uma dona de casa.. e meu irmão qdo se casou com ela, pelo fato de vermos nossa mãe trabalhar e ralar muito para nos criar, e fazermos estudar, ter uma profissão, meu pai foi o contrário. Resumindo, um canalha, smpre traindo minha mãe e nunca assumindo a responsabilidade do lar. Qdo completamos 18/20 anos, eu e meu irmão colocamos minha mãe na parede e dissemos: Ou ele, ou a gente. Aí ela encarou a separação. Nesse meio tempo, 3 irmãos por aí apareceram. Hoje, minha mãe diz que não se separou dle qdo eramos crianças, pq tinha medo de enfrentar a barra sozinha. Por tudo isso que passamos, meu irmão não concordou que a mulher trabalhasse fora,(já que ralou com a profissão, e não passa dificuldades financeiras), pois teve épocas que a minha mãe virava 72 horas no hospital trabalhando direto (copeira).
E hoje, minha cunhada é uma tapada, está se mutilando, não aceita a separação, não aceita que tem que mudar, ser mais independente, não digo financeiramente, pq é dificil, mas de ter iniciativa, sair sozinha com as crianças (um de 7 e uma de 3).
E meu irmão, está estafado com a situação, cansou de lutar pelo casamento, de ter que cuidar de tudo e não ver resultados positivos. Sofre todo mundo...(embora ele saiba perfeitamente que tem uma parcela de culpa). Acredito tb que no fundo, lá no seu sub-conciente ele não quer ver a mãe dos filhos dele bem, feliz, pq doi pra eles tb. Talvez se sintam regeitados... sei lá...
Mas admiro muito você, por lutar, acreditar que pode ser uma pessoa melhor, encarar a vida sozinha.
E você vai tirar de letra, pq você acredita que pode. Jamais se sinta pra baixo, às vezes, é dificil aceitarem que vc já subiu alguns degrais sozinha, e vai subir mais. Queria tanto que minha cunhada conhecesse a sua história, mas é dificil nem internet ela acessa...
Se é para o bem de todos e a felicidade geral da Lulu, pq não??
Abraços,
Andrea

Anônimo disse...

Vire esse post, o fulaninho aí de cima, não merece nem ser citado. Tomara que ele leia o comentário da minha cunhada. Ele saiu no lucro, tem situações realmente piores por aí... E depressão ná é uma "doença". Depressão/pânico são traumas de um estresse não resolvido.
Abraços,
Andrea

Anônimo disse...

Oi? Não entendi o que vc falou? Que loucura né qto conteúdo de um anônimo pra dizer isso ou aquilo sem saber, sem conhecer realmente ela ou ele simplesmente por coisas escritas em um blog aonde somente aparece um lado ?!?!?!?! CRESÇA E APAREÇA!!!

Káh disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Káh disse...

Oiii

Te falar assim óh: sou filha de pais separados desde meus 8 anos.
Foi algo extremamente estressante,dado fato que o papis era alcoolatra, eu sofri agressões físicas bem sérias e a minha mãe fez a mala dele,colocou na porta ,trocou a fechadura e fim do primeiro ato.

E hoje eu tenho 22 anos, um irmão de 19, os dois na faculdade, eu na porta de me formar. Os dois criados com ela trabalhando a noite - num hospital público , pra melhor acompanhar nossa vida escolar e se fazer presente, e deu tudo certo: nenhum mata,rouba ou é maluco de saudade de um homem dentro de casa.

E não foi fácil, e até hoje olham pra mãe e ouço comentários ridículos de "cadê o marido?"
Sabe Giu - se tu me permite a intimidade né, somos muito felizes, eu não convivo com meu pai pois ele mora no Pará,e eu não gosto menos dele apesar de tudo. Não sinto falta, me sinto feliz de ver que tenho uma mãe que fez uma mega escolha por mim, pq eu sofri, pq me custaram anos de terapia cada agressão que eu sofri.
No mais, força na peruca gata,pq com certeza vale a pena tu te escolher, bancar tua casa, tua filhota liiinda e a vida dá o retorno.

Não é de graça, não é a toa, que vivemos num país onde grande parte dos chefes de familia, são MULHERES.

Ombro e bico pra essa gente desocupada que pensa essa asneira de ti.

E meu carinho,meu beijo e minha admiração, de uma filha criada sem o pai, que ouviu isso que tu ouve hoje, e que tá linda,musa e soberana nessa vida ;)

Sou tua fã - e desculpa o mega comentário

Carol Garcia disse...

clap clap clap clap.

e beijo. dos grandes.

Anônimo disse...

Perfeito!

Grace disse...

Peraí... li umas três vezes pra achar ONDE vc falou mal do ex pra ele ter ficado tão doído... num achei... aliás apesar do fracasso no casamento vc disse que ele é "um puta pai", acho que foi elogio foi não??

Jéssica Amorim disse...

aff minha mãe passou por isso, mas porra, foi há 30 anos atras!!! Saia comigo pra jantar fora e as pessoas olhavam com este mesmo ar. Triste saber que ainda não mudou porra nenhuma.
Você e Lulu obviamente serão felizes com a escolha de serem uma familia de 2 =) assim como eu sou.

Elisabeth disse...

... sei muito bem do que você está falando. É como se as pessoas te vissem incompleta porque está sem marido. Eu também optei pela separação ainda grávida de um segundo bebê. Ainda estou no olho do furacão ( com uma filha de 3 anos e um de 3 meses). Mas a parte punk passa, em algum momento passa. E teremos nos tornado mais fortes, com toda certeza. Um dia de cada vez, com uma noite ( às vezes em claro ) no meio. Bjs

Bruxinha disse...

PQP, Giuliana, tu és phoda!!
eu agora olho pra trás e penso se não adiei tanto o divórcio por medo desse julgamento social. Pode ter um pouco disso, mas o medo maior era realmente a "dissolução" da família, embora esta passasse distante dos comerciais de margarina que nos enganam diariamente na TV.
Mas como disseste, pô, a minha filha É a minha família. E o importante pra todo mundo é ser feliz. Melhor que ela tenha casas divididas do que viver no meio de um casamento sem amor e sem respeito!
Bola pra frente! adoro o blos!

Renata disse...

Num gostou do que ta escrito aqui eh so nao ler. Simples assim. Cada um tem seu ponto de vista da situacao e como nao estamos ai vivendo na pele cada um eh muito complicado ovacionarmos um ou acabarmos com outro. acho que nem era pra discussao ir pra esse lado. O que eu acho eh viva a libertade de expressao! Ponto final.

Raquel Gomes disse...

Giu, sou moçoila bem casada, mas vivo uma vida de quase mãe solteira - visto que marido sai 5h30 de casa e só chega 20h. E que NUNCA troca fralda, dá banho ou coloca a própria roupa no cesto - ou frita sequer uma porra de um ovo.
Então, além de mãe do Diogo, sou mãe do marido.
A única coisa que não faço nessa pobre vitta mia é trabalhar (FORA). Nem levo o Diogo pra escola pq ele ainda é muito bebê e blá blá blá (prefiro obedecer a pediatra... vai que...).
Mas realmente, um homem com o filho no colo chama muito mais atenção positiva que uma mãe sozinha com o filho num restaurante. FODA-SE essa sociedade maledetamente machista.
Agora, sobre "não poder" apresentar o namorado pra filha... pohan! Fica saindo com o cara sem falar que você tem uma filha pra ver do que te chamam!!! Sefudê, serumanos!
Minha prima namora com um rapaz muito fofo que adora o filho de 6 anos dela. E, meu, convenhamos. Amar um menino de 6 anos terrível não é pra qualquer um. E se ela não tivesse apresentado os dois? Quando saberia se o cara presta para ela - pq pra prestar pra uma mãe solteira, o cara tem que ser legal com o filho dela, não?
Anyway... cara de alface resume. ;)
Beijo

Edna Fernandes disse...

Arrasou!!!!!!

Anônimo disse...

olá, tudo bem? hoje meu filho já disse pra que veio, ou seja, ficar acordado a noite toda achando que é de dia...enfim, encontrei o seu blog e confesso que ri, ou melhor gargalhei, principalmente com a história do pediatra que receitou remedio para 'acimas de 2 anos'..endim, quero te convidaer pra afzer parte do bgrupo do face chamado MÃES DO BRASIL e compartilhar com a gente essas historia magnificas...fica o convite..bjosss.Fernanda (Dighybaby di carla)

Mamãe Nádia disse...

Nossa minha linda, parabéns! Sou fã de carteirinha do seu blog e adoro dar boas risadas com seus textos. Inclusive reparto com meu marido pra ele rir também! Vc é uma ótima escritora e quando sair um livro vou ir pra fila da livraria!
Gostei muito de ver um texto sério, achei lindo e concordo muito com você.
Parabéns.
E claro que morri de rir com a parte de tirar o sutiã e ficar com depressão. Huahuahua. Tô no mesmo barco, colega.
Bjo.

Anônimo disse...

Hoje sei o que é ter um filho, no caso filha, estar em crise, nao encontar saida, e depois de muito dar murro em ponta de faca, colocar um fim numa sessão de infelicidade (minha e do futuro ex marido) e respirar aliviada. Não e fácil ser mãe, nao é fácil manter um casamento e acima de tudo ter que ser mãe, mulher, esposa, profissional e dona de casa. Tudo isso uma visão furada de uma sociedade. Há 2 dias terminei o casamento e me dou mt melhor com o pai da baby. Agora é bater no peito (também murcho) e seguir em frente!

Anônimo disse...

Oi, Giuliana.
Leio seu blog há muito tempo, mas (acho) que nunca comentei. Adorei esse texto, pelo mesmo motivo que sempre gosto dos outros, mas tb, e principalmente, pela sua coragem de expor o que pensa. Vivemos numa sociedade ridiculamente hipócrita, onde parece que pra uma mulher ser feliz, completa e realizada ela tem que ter um homem ao lado dela. Ou seja, é melhor vc ter um casamento, ou qualquer outro relacionamento de merda, com um homem que de nenhuma maneira te valoriza e te respeita, a ser uma "avulsa", uma "largada".
Eu namoro um cara super bacana, não sou mãe ainda, mas sei como é a situação que vc descreveu. Meu pai faleceu há 6 anos e até hj as pessoas olham pra minha mãe com dó, como se ela fosse uma coitada. E pior, muitos a criticam pq depois que meu pai faleceu ela se tornou muito mais independente, viaja bastante, sai com as amigas e faz mais coisas que gosta. Como se ela tivesse que ficar o resto da vida enlutada dentro de casa. Ou tivesse que se casar novamente só pra dizer que tem um homem. Ridículo isso.
Há cerca de 4 anos terminei um relacionamento de 7 que já estava completamente desgastado, não tinha mais salvação. Sofri muito, tive depressão e não aceitava o fato de que eu ia ter que começar a me virar sozinha. Eu era muito dependente dele e, de certa forma, essa situação era cômoda pra mim. Resumindo, depois de eu cair na real, vi que aquilo tudo tinha era sido muito bom pra mim: me tornei mais independente, comecei a fazer coisas que eu nem sonhava em fazer por minha conta. Mas o melhor de td foi que eu adorei essa experiência e hj em dia, mesmo namorando, não abro mão de ter a MINHA vida. Sou muito mais feliz nesse atual relacionamento, mas exatamente pq eu percebi que não preciso fazer ninguém de muleta pra minha felicidade.
Pra finalizar esse "livro" hehe, queria dizer que nós temos obrigações apenas com nós mesmas. Se vc está mais feliz solteira, ótimo. Se é realizada no seu casamento, maravilha. Ficou viúva e não quer mais saber de homem te enchendo o saco, bacana. O importante nessa vida é ser feliz, pq ela é uma só e é curta, e respeitar as pessoas e suas opiniões.
Abraços,
Suzana
http://www.bloggarehpreciso.blogspot.com.br/

Um espaço pra chamar de meu disse...

Adorei!!! Sei o que é isso!! Conselhos maravilhosos todo mundo tem, engraçado que ninguém usa na própria vida... olham tanto pro lado e não enxergam o casamento falido em que vivem e resolvem meter o dedo podre na vida da outra que pode sim estar feliz!!!
Incrível mesmo esse olhar para o pai, sempre o máximo, vc lembrou muito bem!!!
Algumas pessoas preferem dizer "sou infeliz, mas tenho marido". Triste isso!! É o retrato da nossa sociedade e bóra ser feliz...
Como mera estudante do 1ºperíodo de psicologia, o que ouço meus professores, eles sim psicólogos dizerem é que não devemos esconder das crianças. Dizer que o namorado novo é um "amigo" ou "tio" e a cria te ver aos beijos vai confundir mil vezes mais e sim, ver um casal infeliz, brigando, se ignorando e tal é muito pior que ver cada um feliz do seu jeito...
Bjs grande, lindona!!!!

Fernanda disse...

Olá! Acompanho o blog há um tempo, e hje aproveito para divulgar a produtora que estou inaugurando com minha mulher (Vanessa). Estou precisando de portfólio, então se entrar em contato, os preços podem ser diferentes dos divulgados lá! É só se identificar.
Lá vai:
www.guardarefotoevideo.blogspot.com.br
Somos especializadas em foto e vídeo infantil!
Parabéns pela filhota!
Fernanda

Marcella Nathaly disse...

Giu, eu fiz um post parecido com esse há uns meses atrás e o pai de Lulu também ficou chateado, só não chegou a postar nada... E eu também não enxerguei o motivo da revolta do pai da sua Nalu, mas, enfim, cada cabeça é um mundo. Eu e Ana Luiza também formamos uma feliz família de duas pessoas, que moram sozinhas num lindo apartamento verde água cheio de brinquedos espalhados pelo chão. E de vez em quando também vamos sozinhas às pizzarias repletas de famílias-perfeitas-e-felizes do Recife. E ponto final.
As coisas mais simples são mesmo difíceis de se dizer...

Beijo grande.

Anônimo disse...

Giuliana, eu sou uma daquelas pessoas que vou dar um conselho metendo o bedelho na vida que não me diz respeito. Eu sempre leio teu blog, acho uma graça danada e é a primeira vez que comento. Eu estou vendo (lendo) nitidamente que vocês ainda se gostam. Deve ter muita mágoa aí para não se darem uma chance. Quem não gosta é indiferente. Vocês ficam se cutucando aí por nada. Não é pela sociedade, mas é sim pela Lulu. Se vocês não se traíram, não se agrediram, porque separar? Amor se constrói. Todo o relacionamento é feito de ciclos. É super importante saber se manter unido na parte ruim. TODOS os relacionamentos são assim. Se ainda houver um pouco de amor entre vocês dois, tentem de novo. É sim muito bom ter o pai e a mãe juntos e isso só não é bom quando eles realmente não se gostam mais. Pensem os dois nisso (eu sei que teu ex vai ler).

Anônimo disse...

Hummm...

Eu acho que o anônimo ai de cima é aquela que disse: “fica tranquila, linda, eu acho que vocês ainda voltam. Ele só tá aproveitando um pouco pra galinhar, sabe como é homem né? Mas tenha paciência, vocês formam uma família linda e Deus vai uni-los de volta. Tenho fé”.

Gabriela disse...

Oi Giuliana! Ótimo post! E jundiaiense como vc, só posso dizer que Jundiaí é muito provinciana.
Beijos

Anônimo disse...

oi gil...adorei seus ultimos posts... a mais pura verdade...só quem passa por isso sabe q vc está falando a verdade...merece ir pra NY...

(Mamãe) ~Pinel disse...

(Me atenho a falar sobre o que li no post e não nos comentários).

O que mais chamou a atenção foi essa parte que você falou sobre as visões diferentes de uma mãe solteira e de um pai solteiro. Reflexos de uma sociedade machista, se é que me permitem. O pai que fica um final de semana com o filho, que troca algumas fraldas e dá banho (de vez em quando) é um SUPER HIPER PAI, e a mãe que faz isso incontáveis vezes, além de todo o resto (que é MUITA coisa) é apenas uma pobre coitada. Eu digo isso por experiência própria. Eu, que com 18 anos tive a Lara, passei por muitas situações difíceis e que exigiram um amadurecimento precoce e sensatez, uma vez que cuido da Lara sem ajuda (já que o pai, ainda meu namorado, mora longe e com os pais). O meu namorado, que ama ela sim, sem dúvidas, ainda não parece, para mim, o pai perfeito. Longe disso. E como me IRRITA ver algumas pessoas elogiando e até tirando foto quando ele, em alguma festa ou saída qualquer, troca a fralda dela. Mal sabem que depois de uma fralda trocada, ele faz o maior drama na segunda fralda do dia!

Enfim, visões que deveriam mudar. Sinto a falta dele em vários passeios que faço com ela, mas porque penso que ele está perdendo uma ótima oportunidade de criar laços mais fortes com ela, e só por isso! Porque nós nos divertimos e nos entendemos muito bem, nós duas, juntas!
E você e a Lulu também, tenho certeza!

Camila Oliveira disse...

Mas que babaca esse seu ex hein?
Se livrou de boa gata!

@mariiteo disse...

Sou mãe solteira desde o exame de sangue positivo...e mtu feliz, bem resolvida e sehurando todos os rojoes com uma paciencia de jó...
Minja massagista me disse que homens sao bons so para procriar...e só

Anônimo disse...

Olha minha gente. Eu tenho 1 filho de 1 ano e 8 meses. O pai dele ta impossível , até ânsia de vomito tive hoje no almoço. Só recebo criticas. Nao é fácil ser mulher, mãe, trabalhar fora, ter que fazer depilação, mão, pé, acordar no mínimo 3 vezes na madrugada desde que o pequeno nasceu. Ontem coloquei o pequeno no berço e o marido já Tava na cama assistindo tv há um tempão. Cheguei, ainda de roupa, sem escovar os dentes e ele me disse "me traz um pedaço de bolo???".

Rafaella Marcolini disse...

Clap,Clap,Clap!

Gisela Blanco disse...

Ei, toca aqui, ó o/! Eu não sou separada, mas fico bastante tempo sozinha com o meu filho (pai viaja muito) e nessas horas sempre me lembro de mães como você. Porque eu também ganho esses olhares quando vou sozinha com ele a um restaurante, à livraria, a todo lugar. E são olhares que deveriam ter ficado em 1953 (e olhe lá). Você é foda! Bjs

Tana disse...

Giuliana,
Seja a "mãe" para sua filha e os outros são os outros, com suas opiniões e preconceitos idiotas e só. Falo por experiência própria, minha mãe me criou sozinha, meu pai era visitante. Sempre fomos à praia, pizzaria, aniversários e a segurança dela é que me fez crescer sem traumas ou medos. Construa confiança e cumplicidade, escolha pessoas bacanas para participar das suas vidas, amigos, namorados ou não. O que importa é o conteúdo da relação. Isso fica pra sempre. Os outros sempre vão opinar na vida alheia e descuidar das suas próprias. Seja e faça a sua filha feliz - isso é o que importa.
Bjs
Tana

Marco A. S. Reis disse...

Eu sou pai solteiro e também tenho considerações. Bom, sou pai solteiro duas vezes, já que são dois filhos de mães diferentes. Eu costumo sair normalmente com os meninos, jantar, cinema, parque, etc. Já aconteceu por exemplo um caso em que não me aceitaram na fila preferencial porque era apenas para "mães com crianças de colo". Faz sentido. Ao menos a lei era clara. O pai pode ficar com o menino no colo esperando a fila normal. Então saibam que o mundo é machista, e serve para os dois lados. Também não ganho elogios por cuidar deles.

Anônimo disse...

Casamentos vem e vão.. parem de culpar esse ou aquele, homem ou mulher... lutem, criem sua filha e ponto... procurem escrever somente sobre o crescimento da filha (que é a coisa mais bonita do mundo e o maior acerto do casamento de voces) e não um sobre o outro, mesmo porque isso é passivo de brigas e processos... o que passou, passou... que se dane o que os outros pensam... se isso incomoda é porque não está tão resolvida assim...

* Ana Amelia * disse...

Adorei! Eh isso ai, com certeza um casamento falido, brigas na frente da crianca fariam mal a sua filha, ao inves da vida que vcs tem. E REVOLTA do cara (e das pessoas) que acham o super pai pq leva a filhinha no fim de semana e faz so passeios legais qdo a 'chatice' do dia-a-dia fica pra mae.
Eu sou casada (e feliz) mas adoro sair eu e Carol (1 ano, certinho, mais nova q a Lulu) e nao tenho nem um pouco de vergonha. Sentamos no parque, com um suco cada uma, 'conversamos' sobre os aviaos, cachorros e bicicletas que passam. Tao gostoso. Maaas, isso aqui eh Londres q ng liga pra porra nenhuma que o proximo fa'ca.

Anônimo disse...

Como diz uma amiga voce é FODENCIA!
Estou apaixonada pelo blog, porque me identifico impressionantemente em cada linha, mas o melhor de tudo é a irreverencia com que escreve, Parabens, viu.
Alessandra & Zazá

Anônimo disse...

Nao entendi o ''nao vou levantar bandeira feminista e queimar o sutião''? Qual o problema de se assumir feminista? Se você como eu que igualdade de direitos para os dois generos, desculpa, mas voce é feminista