quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Às mães solteiras que ainda tem um coração batendo no peito


Alôvossê, que é mãe solteira e pena com as dificuldades rotineiras de uma pessoa nessa condição de uso, digo, de vida. Esse post é pra você querida amiga ouvinte.
Você tá ai jogada as traças, feliz da vida com seu filhote sim!, porém você sente que lhe falta algo.
Será detergente? Papel higiênico? Faltam ovos na geladeira? Isso é muito fácil de resolver! Mas e quando faltam aqueles trens relacionados a amor, coração na boca, paixão, coxa –na- coxa? Aí a coisa complica.
Complica primeiro porque você é mãe, segundo porque é solteira, e essas duas palavras na mesma frase fazem os rapazes sofrerem alucinações lisérgicas adrenais, culminando em taquicardia e ondas de suores gelados nas extremidades (claro que nem todas extremidades e nem todos rapazes, porque alguns nem possuem glândulas adrenais).
As dificuldades são inúmeras e se eu for listar aqui todas elas, passarei o feriado de 7 de setembro na frente desse note. Mas é preciso ter fé é preciso ter garra.
Como você, com um filhote pequeno, sairá à caça? Hein?
Uma dica quente, querida ouvinte: Você não precisa mais sair pra paquerar, mesmo porque você perdeu o jeito e não sabe mais como paquerar, e outra, sair que horas se você trabalha-estuda-faz comida-limpa casa- passa roupa and cuida de seu pequeno rebento?
Pois bem, seu problemas terminaram! Com o advento da internet, as coisas ficaram beeeem mais fáceis, vamos acompanhar:
A  internet é uma criação do diabo, onde residem vários diabinhos denominados redes sociais. Essas redes permitem o contato em tempo real até, com outras pessoas, de outros estados, outros países, outras dimensões e outros planetas quiçá.  Olha que maralvilhan! Daí, você em sua santa ingenuidade, Batman, começa a papear com um sujeito(ou sujeita) que parece ter um mundo inteiro em comum com você. Coi-sa-mais-lin-da-do-mun-do. Conversa vai, conversa vem, vocês marcam um encontro. Mas peralá! Sujeito não mora no mesmo perímetro urbano que você! Mas o que são os obstáculos quando se trata de amor né mesmo? Amor não tem fronteiras, não tem regras,  o amor é lindo e cheiroso e vocês são almas gêmeas.
Com a maior destreza do mundo, esquecem das dificuldades e marcam tal encontro. E se apaixonam loucamente (ou no pior dos exemplos, só uma parte se apaixona) Você faz o que, querida ouvinte mãe solteira?
Você sofre.
Você sofre pela distância, você sofre pela falta de contato, você sofre pelas inbox de periguetes marcando encontro com o SEU homem, você sofre com sms assíncronos e frios, você sofre com like em foto de biquíni e aí, querida amiga, a pulga se instala bem atrás da sua orelha, e você sofre por ser uma chifruda virtual. E isso dói! Dói porque seu mundo agora é virtual e você não mais existe como pessoa física. Daí, você parte seu coração com iconezinhos, você derrama lagriminha ;(   você chora a cântaros ;((;((:(, porém a vontade de matar é real, e você conclui que esse negócio de namoro virtual não dá certo.
Então o que você faz parte2? 
Sai para ir no mercado espairecer. Porque supermercado é o único lugar possível, cabível e permitido para uma mãe deixar seu filho na avó e ir num sábado a noite sem ser execrada pela própria culpa e pelo olhar reprovador dos que não entendem nada de mães solteiras de corações partidos.  
E lá, no lugar mais improvável do mundo, no corredor de produtos de limpeza, você se depara com aquilo tudo que sempre sonhou para sua vida e que jamais imaginou que pudesse encontrar ali. Aquele que se tornaria o seu ombro amigo, o seu salvador. Aquele que te faria ver estrelas e sorrir lindamente cada vez que olhasse pra ele ou sentisse seu cheiro. Porém não se entrega fácil, é comedida, titubeia, calcula riscos, e em um átimo de segundo consegue pesar todos os prós e os contras dessa relação,e, com coragem, você se encosta em sua própria parede mental e diz: é pegar ou largar, gata.
E você decide pegar!
Mas pega e sai correndo? Pega e não pensa nas consequências? Não! Pega consciente do que está fazendo.
Íntegra, adulta e responsável, você passa no caixa e paga em dinheiro a sua caixinha de Lolo.
Pronto você é feliz de novo.
Quem precisa de amor, quando se tem chocolate?


DICA: Para você pai solteiro que está lendo esse post, sabe deus porque, meu amigo Guilherme Fuoco, do blog Papai Jovem está cedendo dicas quentíssimas de como ganhar uma gatchinha. Corre lá e volta aqui. ;)


18 comentários:

Mariana Meira disse...

Oi, Giuliana, tudo bem?
Recentemente encontrei você pelo Facebook e te escrevi a respeito do meu TCC, que será um livro de perfis de mães blogueiras. Como comentei, tenho interesse em incluir o Lulu não Dorme no meu trabalho e você como uma das perfiladas. Será que você poderia participar?
Qualquer dúvida que você tiver sobre o livro e sobre mim, fico à disposição.
Meu e-mail é mariana_meira23@hotmail.com. Aguardo o seu posicionamento, tudo bem?
Muito obrigada.
Abraços,
Mariana

Anônimo disse...

Lollo no corredor de limpeza???

Ju disse...

anonimo, por isso que disse "no lugar mais improvavel do mundo" e Mariana, pode me enviar um email no giulianasv@uol.com.br bjs

sueli disse...

Tá na hora de começar a fuçar no corredor dos eletrônicos. Dê preferência aos que tenham pilhas recarregáveis. kkkkkk
Sua imaginação é muito fértil.

Baby da Pri disse...

Oteeeemo!!!!!!!!

Ivna Pinna disse...

Hahaha
Boa!

Beijo

adela yannini disse...

Lindo!!! eu amo.
Beijos

Suzy Lapa disse...

Ju,

seu blog tem sido minha terapia. Obrigada por me fazer sentir que não sou a única nesse mundo, e que junto com muitas, desfruto agora das dores e delícias da maternidade, que incluem as noites em claro.

Abração.

Suzy
http://oblogdasuzy.blogspot.com

lucas disse...

Guria bate aqui!
Mãe solteira também!
Hauhuahauua gatinho no mercado???
Beijoss

IsaBele disse...

Finalmente terminei a leitura do blog todo! Ufa! Mto bom! Parabéns por dividir com tão bom humor as dores e as delícias da maternidade! Bjs!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lilian disse...

Adorei seu blog e esse foi o seubprimeironpost que li e ja me identifiquei muito. Eu era mãe solteira. E quando meu gatinho tinha 8 meses conheci o que seria meu futuro marido, mas, não foi facil para mim de inicio. Ele me via parada no ponto de onibus indra facul. Não sabia que eu tinha filho e um dia ao chegar em casa me deparo com varios buques de rosas e um cartão com telefone! Milagre pensei! Telefonei e ele foi em casa meia hora depois para a gente conversar. Meu pai apareceu com meu filho no colo e eu o apresentei ao meu pretendente, e eu chando que ele ja sabia! Tive preconceito por im mesma, não acreditei que poderia dar certo, o dispensei algumas semanas depois e logo voltei atras e estamos juntos a quase 10 anos e com mais um gato para nascer dessa união Gabriel! Desejo sorte a todas que estão solteiras por que não é facil, muitos aparecem com boas intençoes e quando vc vê esta saindo sem seu filho deixando sempre com a avó, somos o tipo especial de mulheres, e eles que entendam, somos capazes de tudo de mil coisas ao mesmo tempo e devemos encontrar pessoas que nos queiram ja acompanhada!

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Nathália Barros disse...

Hahah!
Adorei seu blog!
Não só pela identificação como mãe solteira, mas como você acrescenta uma dose tão boa de humor nessas situações tão difíceis que enfrentamos no nosso dia a dia.
Muito show!
Beijinhos,
Nathy.

Marcela disse...

Oi Giuliana! Estou sempre lendo seu blog, até pq temos muito em comum, uma filha de quase a mesma idade que não dorme, a solteirisse e as mesmas dificuldades diárias que abrangem a vida de uma mãe jovem e solteira por opção! Tenho 25, minha filha tem 4 e sou solteira desde que ela nasceu =/ Mas não perca as esperanças, namoro há 3 anos, e ele é particularmente especial, claro que as dificuldades e preconceitos dessa sociedade existem, mas existe tbm aquela esperança no fim do túnel na raça masculina rs. Porém continuo solteira (no dia a dia) com as mesmas dificuldades de criar uma filha sozinha, sem babá, mãe, marido, pai...é duro, mas a gente consegue! ;-)
Parabéns pelo blog, é bom saber que não estou sozinha nessa empreitada!

Débora disse...

Adoooreiii e sou mt feliz sendo maãe tao nova e adolescente tai o face quem quiser ver o meu baby bjjjs https://www.facebook.com/DeebSalvador