quarta-feira, 30 de março de 2011

Excolinha? Não, brigada.

É wilson, Lulu não quer excolinha. Bora chorá junto comigo?


Juro que pensava que escolinha era a solução mágica pra todos os meus problemas, que lá ela ia pular, correr, brincar, aprender biologia marítima, socializar, arranjar um namorado, casar, chegar em casa, deitar, dormir e sonhar com Bob Esponja, aquele lindo. Ledo engano.


Começamos a adapatação há um mês meio, mais ou menos.


No primeiro dia, tudo beleza, tudo tranqüilo, tudo pimpão, exceto pelo exército armado de lagartas-transformers que parecem ter invadido a escola numa espécie de vingança contra o mundo, com seus corpos gosmentos e peludos.

Sim, lagartas por todos os lados, na cozinha, na sala de aula, nas mochilas das crianças. Achei isso um tanto quanto nojento e ameaçador, mas aí a psicóloga da escola me chamou num canto e me ensinou a trabalhar essa aversão, lembrando que elas virarão lindas borboletas ululantes na terra de godah levando beleza colorida mundo afora. Arram, senta lá psicóloga. Que eu vou sentar no banco que não tem lagartas. Obrigada.


Bom, ao que parece, as crianças não ligam pra elas e é isso que importa não é, Giuliana?


O fato é que Lulu chegou ahazando na escola, sociável e saltitante que é, não poderia ser diferente. Quase uma vereadora mirim, faz amizade como quem toma água. Chegou bem no meio de uma aula de futebol dos marmanjo de 3 anos. Adivinhem o que aconteceu? A velha se mandou e o jacaré morreu? O jogo foi interrompido e pelo menos oitos dos nove meninos que estavam jogando, vieram abraçar e beijar minha Lulu. Levei um choque. Não tô preparada pra isso ainda genz! Quase coloquei os guris pra correr, mas aí lembrei que são crianças e tals... ficaram lá uma meia hora bajulando a pequena e ela acabou indo jogar bola com eles. Que linda! Uma Martha, praticamente.


Brincou, correu, pulou, divertiu a torcida, foi passear com as tias no parquinho, enfim não queria mais ir embora.


No segundo dia a mesma coisa, com a diferença que ela não quis subir pra sala nem por um sanduíche de lagartas torradas. E assim foi por uma semana.


Na segunda semana, já começou a chorar que não queria ir na excolinha. Tirar ela de casa e colocar no carro era um verdadeiro parto normal espisiotomizado à forceps que não cicatrizava nunca. Eu levava com o coração sangrando, ela ficava um pouco e logo me ligavam que ela tava quase convulsionando de tanto chorar. Sabe aqueles choros seguidos de vômitos? Então... dó, dó, dó...


Resume-se que eu ia levar e buscar uma hora depois.... não tava contente com esse esquema, até que resolvi tirá-la daquele butantã infantil. Sei que não foi um bom negócio, porque eu tenho zilhões de coisas a fazer, como fazer as unhas, ir no Hopi Hari e, eventualmente, trabalhar. Mas com ela full time é impossível fazer outra coisa que não ensaiar Ilariê no tapete da sala.


Fiquei meio triste com isso, porque juro que achava que ia ser molezinha, dada sua facilidade de relacionamento interpessoal augusto-curica.


Estou pensando em procurar outra escola, porque desconfio que ela garrou algum trauma asqueroso de lá. E algo me diz que começa com 'lar' e termina com 'gatas' (não sou boa em separar palavras)


Enquanto procuro outra escola, vou trabalhar essa minha questão com a bodiversidade ecologicamente correta de nós, seres humanos limpinhos que somos, convivermos com bichos gosmentos e rastejantes mesma selva de pedras.


E quem sabe, com sorte, acho uma escolinha com muito cimento, nenhum coqueiro, nenhuma areia, nada biodegradável, reciclável ou sustentável, nada orgânico.Tudo muito sintético.


Sim, sou dessas.

24 comentários:

Anônimo disse...

Essa Lulu é impossível!
A própria dona do jogo. hahaha

Dar show na escolinha é das primeiras lições de poder da criança.
Mas o que faz com que ela não curta o local depois de tantos dias é que intriga.
Realmente procure outra escola, onde ela se sinta mais abrigada.

Mari disse...

Gente, tá se usando lagartas esse ano, não? Anne falou disso, você falou disso, e eu não falei (ainda) mas pensei, porque já tomei altas lagartadas de janeiro pra cá. Aquelas pretas e peludinhas estão POR TODA PARTE, socorro! Sério, olha só: tenho 31 anos de idade e tive minha pele tocada por lagartas três vezes em toda a minha vida - as três nos últimos três meses. Estranho, né? Pelo menos teremos um outono bem borboletudo.
Que bode essa coisa da escola, hein? Lulu é piccola, dá uns meses pra ela que depois rola fácil. Com Alice só funcionou na segunda tentativa...
Sorte, sorte!
beijoca

As coisas que eu gosto disse...

Essa Lulu é mto lindaaa...
kkkkkk

Tchella disse...

uuuuiiiii com crtz eh culpa da escolinha, muda ela sim!!! bjoo

Ana Carolina disse...

Amiga, não sei o que te dizer. Bellusca demorou 1 mês para se adaptar, mais do que isso eu não saberia o que fazer.
Eu acho que vc deve tentar outra escola. Acho que ela não curtiu muito a sala de aula, vai ser daquelas que curtem ficar no pátio...quem será q ela puxou???kkkkkkkkkkk........

lu kowalski disse...

olha Giuliana, tecontá q eu tbm tenho nojo-asco-pavor das lagartas, to nem ai se vão virar borboletas, e acredito q Lulu tbm deve ter garrado uma intolerância de frequentar a mesma excolinha q as bichas...procura outra, q seja mais cimento e menos ecológica, quem sabe a Loo se adapte melhor...afinal de contas, eu acho q a lei de inclusão não inclui essas bicha nojenta né?

sueli disse...

excolinha? nin penxá.
Essa é a Lulu. térrive essa garotinha ixperta.
Acho que a solução seria deixá-la na classe dos adultinhos (tipo 3 anos). Ela se identifica melhor.
Até lá .... gueeeeeeeeeeeeenta. kkkkkkk

Lia disse...

Oi, Ju,
Tem uns momentos em que eles ficam mais dengosinhos, mais grudados na mãe... de repente coincidiu, né? Uma hora sai!
Bjos

Renata disse...

Toda criança passa por isso... no começo gosta porque é novidade. Depois elas querem ir só quando dá vontade. Se você insistir, ela acaba acostumando

Carol Garcia disse...

muita calma nessa hora...
sei como é.
num dia eles amam, no outro choram e fazem a gente se sentir o pior ser do universo.
com lagartas, borboletas, amigos e afins, se ela não estiver bem no lugar....
rspira fundo que logo vc acha um lugar bacana e a lulu se encaixa.
bjocas

Karin - @karinpetermann disse...

Ahhh... eu também achei que ela pegou trauma das lagartas viu... eca... quando elas são borboletas tudo bem... mas quando não... afff..

Boa sorte na nova tentativa!!!

Bjs

Karin - @karinpetermann
www.mamaeecia.com.br

Tuka Siqueira disse...

Divertido se não fosse trágico! Passei o inverso com minhas meninas. O primeiro mês foi um suplício, ficavam chorando, uma delas aos gritos. Nem 20 minutos depois já podia ouvir as risadinha e conversa fiada delas e quando ia buscá-las invariavelmente não queriam ir embora. Passado esse período de adaptação estão superbem na escola.
Agora, se eu não corresse o risco de ser apedrejada em praça pública, faria campanha para ladrilharem aquela horrível faixa de areia em todo o litoral brasileiro, afinal o mar ficaria bem mais divertido sem aquela droga de areia grudando na gente, e também para transformarem a amazônia num xópicentis...

Beijos

Naiara Krauspenhar disse...

Ah, acho que tentar outra escolinha vale a pena... nunca se sabe.
Vai ver dá mais sorte dessa vez.
Pelo menos com as lagartas...
kkkkkkkkkkkkk

nerdiando disse...

Sem querer causar qq. tipo de injeva mas a MC adora escola! Brinca, pula, chega em casa mordida (pais com tochas na mão à porta da escola exigindo explicações) e feliz. Chata, muito chata mas feliz. Dormir ela ainda não dorme! Eu começo a achar que eles estudam filosofia na escola ao invés de brincar frenéticamente como esperávamos!
Antes de sair para a escola MC nos lembra de colocar o dinheiro na agenda e mandar um recado para a "Tofessora" comprar o pão-de-queijo dela!

Mamma Mini disse...

eu não conviveria com as lagartas nojentas, pelo amor... não dá...
quanto a escola, acho que é difícil pra eles o início mesmo, eu aqui em casa fiz painel de carinha feliz e carinha triste pro meu filho todos os dias de ir para a escola, se ele juntasse 5 carinhas felizes ganhava uma supresa, funcionou que foi uma beleza, sem falar na parte lúdica de colar adesivos que ele amou... chorar antes de ir mas ficar bem lá é sinal de que tá tudo bem, mas chorar lá e não ficar bem é sinal de que vc deve mesmo pensar em outras alternativas e maybe outra escola sem as lagartas nojentas que ainda não viraram borboletas!@@!

Renata disse...

Nossa, elas estão em toda parte. Minha casa foi invadida por lagartas e não sei o que fazer. Não dentro de casa, mas em todo o quintal, tem muuuuitas. ODEIO! Mas eu moro no meio do mato, tenho que aguentar.

E gente, adaptação na escolinha é um horror, mas estranho ela chorar tanto se gostou no começo, né? Melhor procurar outra mesmo. E boa sorte!
beijos, beijos

atendimento disse...

Invasão de lagartas, que desagradável.
Com certeza a Lulu não gostou da idéia de conviver com esse bichinhos.
Muito esperta sua pequena!
E quantas invasões ein, agora mesmo uma joaninha invadiu seu blog!
Mas essa foi agradável, rs .Espero que tenha gostado.

Adoramos passar por aqui, e não queremos ir embora tão cedo.
Beijos.
@webfilhos

Rita Romano disse...

Oi Giu, hoje mesmo fui visitar uma escola. Achei que tava num jardim zoológico, tanto mato. Para quem for visitar a Escola Parque, vá de tênis - fica aí a dica.
beijo!

Anônimo disse...

Nossa ju que horror tbm sou de jundiai e o meu filho mais velho passou por isso tbm, a adaptação é fogo já mudei ele de escola 3x e agora achoq ue acertei pois ele ama a escolinha, ele estuda lá no SICE, sabe onde é?
bjos e recomendo viu muito boaaa

Bianca disse...

Tb já ouvi casos de crianças quenão se adaptaram a 1a. escola e a 2a. foi tudo ok. Eu tb insistira em outra para tentar.
Quem disse que seria fácil, né??
beijos, o seu blog é mara.
Bianca

Ana disse...

Se antes amava e "do nada" não gosta mais aí tem coisa. É normal bater insegurança, falta da mãe e chorar. Mas quando é normal elas param logo, as tias conseguem contornar e logo estão sorrindo brincando.
Se precisava te ligar para buscar foi realmente algo que ela pegou medo.
Lagartas, tias, colegas, vai saber.
Dá um tempo para ela esquecer e tenta de novo em outra escola. Mas vc terá que ficar mais tempo com ela até ela ver que é diferente.

Anne disse...

arrepios gerais pelo corpo todo.
pelas largatas e um medão tremendo da adapteichon.
estou na fase um. agora, cagandimedo!
bjo

Rubens casanova disse...

Giuliana, li a história das lagartas e, vi que você escreve bem pacas. Parabéns. Agora entendo o seu temor por lagartas. Li o seu post no malvadeza.com. Eu sei como é foda essa tal síndrome do pânico. Precisei fazer uma tremenda re-engenharia na minha vida por causa da maldita, e às vezes ainda tenho umas recaídas. Mas no geral, minha vida está beeem mais legal. Continue escrevendo e fotografando, que tá tudo super legal. Parabéns!

Anônimo disse...

v vvVV BF9 \IIE
Conselho da Marina (1 ano e 3 meses) rsrsr
Acompanho seu blog, acho muito legal da forma que escreve, e minha filha ta sempre comigo, acompanhando e como criança dá show heim!!
beijos e boa sorte com outra escolhinha!!